Islândia Medieval - Sistema de Justiça Totalmente Privado


Nos primeiros séculos após a colonização, praticamente desde 900 até 1262/3, a Islândia viveu sem a existência de um estado. Os islandeses pura e simplesmente decidiram que não precisavam de um rei, até porque começaram a colonizar a ilha para fugir da opressão do rei da Noruega.

Uma das funções, que é normalmente atribuida ao estado, é a manutenção de um sistema de justiça e a aplicação das decisões desse sistema. É práticamente consensual que, sem a existência de um estado, não é possível haver sistema de justiça, e muito menos a aplicação da justiça.

No entanto, a Islândia Medieval criou um sistema de justiça totalmente privado, que se manteve em actividade por mais de 300 anos. Aqui podem ler o artigo de David Friedman, para a revista Liberty, onde descreve em detalhe como funcionava.

É triste mas, olhando para o estado da justiça em Portugal, no principio do Século XXI, fico com alguma inveja dos islandeses de há 800 anos...

1 Comentários:

Midas disse...

Isto deveria ser ensinado no ensino oficial, e não outras porcarias. Deveria aprender-se o poder da escolha livre e da liberdade de escolha... ao invés de se ensinar que se está bem é com alguém no comando, como se fosse Deus.