Fundo de Emergência


Hoje, os mercados estão a registar fortes ganhos com o anúncio do fundo de emergência que vai "providenciar" 600 biliões de Euros à Comissão Europeia para emprestar a países que esta considere estarem a ser injustamente "atacados" pelos especuladores. Desses 600 biliões, 60 vêm de empréstimos de países europeus, 440 de empréstimos que a Comissão vai contrair no mercado, com a garantia de pagamento de países europeus, e 100 do FMI.

Aparentemente, isto parece uma boa solução para o problema, e os mercados parecem estar de acordo, no entanto, a realidade pode ser um pouco diferente, principalmente tendo em conta os incentivos de longo prazo que são criados.

Primeiro, não acredito que a Comissão seja boa avaliadora de quem são os países "injustiçados" pelo mercado. A Grécia, enganou esta mesma Comissão durante vários anos. Na prática, acho que até a Grécia vai beneficiar.

Segundo, isto vai criar dívida europeia, pela primeira vez, algo que a esquerda já pretendia há muito tempo. A partir daqui, ninguém sabe que monstro estamos a criar...

Terceiro, os países que se portaram bem vão pagar indirectamente pelo esbanjamento dos outros.

Quarto, os países esbanjadores não vão pagar pelos seus erros, na totalidade. Este fundo pode baixar juros de países em dificuldade, mas isso só os levará a manter as politicas que os puseram em maus lençóis.

Quinto, cria-se um problema de risco moral. Para quem, por ventura, ache que isto não é um problema, basta lembrar das garantias implícitas dadas pelo governo americano à Fanny Mae e Fredie Mac, que apenas esconderam a bolha do imobiliário americano e permitiram que esta se tornasse maior, até que um dia rebentou.

No curto prazo, este fundo de emergência provavelmente vai acalmar os mercados, mas cuidado com o longo prazo...

1 Comentários:

Anónimo disse...

600 biliões? Penso que quer dizer 600 mil milhões meu caro.