Venezuela contrai 2% em 2009


Hoje no Oje:

"O ministro da Economia e Finanças, Alí Rodríguez Araque, revelou que o Gabinete Económico prevê que a Venezuela registe uma contracção económica de 2% e uma taxa de inflação acumulada de 27% no final de 2009. Entre Janeiro e Setembro, a economia venezuelana quebrou 2,2%, penalizada pelos cortes na produção de crude e pela descida dos preços internacionais do petróleo."

A Republica Bolivariana avança... ou recua?

Nota 1: Uma taxa de inflação de 27% é uma forte indicação que o banco central venezuelano tenha imprimido muitos Bolivares, para financiar gastos públicos, que são uma das componentes do cálculo do produto. Sem este provável aumento, o produto cairia ainda mais, embora uma parte desta quebra esteja ligada à queda das exportações.

Nota 2: Na nota 1, não estou a defender aumentos de gastos públicos como solução para crises, que embora mascarem os cálculos do PIB, no curto prazo, têm efeitos nefastos, no longo prazo, algo que já foi discutido noutros posts deste blog.

Nota 3: Estes dados "oficiais" devem ser tomados com algumas reservas, ainda para mais estimativas, pelo que a situação provavelmente é pior. Esta recomendação não se aplica apenas à Venezuela, basta recordar pressões políticas, em Portugal, nos EUA e noutros países, para manipular dados "oficiais".

0 Comentários: