A queda das verdinhas...


Não, hoje não vou falar do Sporting... nem vou falar de nenhum partido ecologista...
O tema hoje é a queda do dólar, das célebres notas verdinhas...
Com efeito saiu hoje a lume uma noticia na qual o peso do dólar americano enquanto reserva dos diversos bancos centrais caiu de 63% em 1999 para 37% na actualidade.
E isto é bom ou mau? Tal como o Marco tinha apontado num artigo mais antigo, parece o "Grande Império" estás prestes a colapsar e este é mais um indicador que traduz a falta de confiança na economia americana. Mas na realidade, vistas as coisas de outra forma, a taxa de câmbio não passa de um mecanismo regulador da economia, de mais uma variável de "fecho" das "equações" que "regem" o modelo macroeconómico.
Afinal a taxa de câmbio nada mais é do que simplesmente o preço relativo de uma moeda face a outra moeda.
Não se consegue à primeira vista apurar (excepto talvez alguns jornalistas verdadeiramente iluminados devido às suas mentes extraordinárias) se uma depreciação do dólar face às restantes divisas é bom ou mau para a economia americana. É verdade que por um lado as importações ficam mais caras e isso reflectir-se-á nos preços dos produtos importados ou que incorporam matérias-primas importadas. Mas por outro lado, as exportações americanas ficam mais competitivas. Eu por exemplo agora tendo a recorrer mais à amazon americana do que à amazon inglesa.
Sendo certo que quando o mercado julgar que o preço da moeda americana está muito baixo, então os investidores irão adquirir moeda americana e o processo de queda do dólar terminará...a menos que os rumores que se têm ouvido ultimamente de criação de uma moeda única mundial se venham a confirmar...mas isso será tema de um outro post.
Sendo que a economia americana vive muito do seu mercado interno, é provável que o efeito na economia americana como um todo não seja muito significativo.
De todas as formas esta notícia fez-me lembrar uma questão que uma vez um colega meu da faculdade colocou e que muitas vezes gera confusão.
A questão que ele colocou foi a seguinte: se não era estranho a libra cipriota (actualmente 1 Euro = 0,585 Libras Cipriotas) ser uma das moedas mais fortes do mundo. Ora isto é um dos erros mais comuns que pode haver. Não é pelo facto de uma moeda valer mais do que o Euro, que torna essa mesma moeda mais forte.
O preço da moeda é apenas uma denominação... nada impediria que por exemplo o Banco Central Europeu decidisse substituir o Euro por uma nova moeda (com outro nome) e que valesse por exemplo 10 euros, tornando-a assim na moeda mais "forte" do mundo. Lembro-me inclusivamente que há pouco tempo a Roménia transformou os seus Leis (moeda romena) no Novo Lei, que vale precisamente 1000 Leis (antiga moeda).
E nem por isso a economia Romena está 1000 vezes mais produtiva, trata-se apenas de um "lifting". O comportamento ao longo do tempo dessa moeda face às outras divisas é que irá dizer se a moeda é forte ou não.
Um outro exemplo paradigmático é o do Iene...que sendo uma das moedas mais fortes da economia mundial, a taxa de câmbio actual é de 1 euro = 132,69 ienes.

Portanto e voltando ao tema inicial, da próxima vez em que pensarmos que o euro se depreciou face a qualquer outra moeda, devemos pensar que como tudo na vida, existem vantagens e desvantagens...

E já agora uma pequena curiosidade...o termo Dólar advém da antiga moeda da Eslovénia, o Tólar.

0 Comentários: