Tap... embarcando na empresa pública






Achei piada a esta foto, já que, além de ter o nome deste site, tem algo que felizmente existe, apesar de alguns pensarem que é mau... Liberdade de Escolha.

Falando do caso da TAP, é um caso típico de empresa pública, greves e prejuízos... prejuízos que alguns teimam em esquecer, quem paga é o povão, que iludido, pensa que é preferível existir um estado e governo pesado (230 deputados e milhares de "assistentes"), pagar praticamente 50% do que ganha em impostos directos e indirectos para os mesmos porem e disporem dele, do que um mercado livre, onde preservavam quase tudo o que ganhavam e pagariam preços mais baixos nos bens e serviços, dada a concorrência... mas já estou a divagar.

Em concreto, no caso da TAP, confesso que revolta esta situação. Não por causa dos pilotos, que estão a fazer o seu papel, tentar tirar mais um bocadinho do estado (se os que estão acima tiram, porque não eles tentarem também?), mas pelo facto da maioria não entender o porque desta situação. A empresa tem de ser privatizada e ponto final. Caso fosse privatizada, ou começaria a dar lucros ou ia à falência... a sua unidade de negócio seria vendida a outra ou outras empresas e acreditem que continuaria a haver aviação em Portugal...

No sector privado, caso uma empresa não dê lucros fecha as portas. Simples. Surge outra para tomar o seu lugar, e tentar ser mais eficiente. Isto sim, é algo que liberta os contribuintes da estrutura pesada do estado, onde não há motivação nenhuma em tornar uma empresa rentável, pois o capital que estão a utilizar não é deles e caso dê errado o pai estado dá mais.

Tudo é um jogo de incentivos na economia, por isso o sector privado é claramente, muito mais produtivo que o estatal. Posto isto, privatize-se a TAP e, desta forma, acaba-se com esta macacada do quer mais salário, do lucro estimado que afinal são é mais uns milhões de prejuízo... e quem paga, está claro, é o contribuinte, que tem de abrir os olhos e começar a exigir a privatização cada vez maior de empresas públicas.

0 Comentários: